Arquivo para abril 3, 2010

Sexta Feira 13 (2009) – Como acabar com um filme que poderia ser muito bom.

 

O retorno de Jason mereceria ser melhor...

 

A Platinum Dunes é a produtora de filmes de horror e suspense de Andrew Form, Brad Fuller e o inútil Michael Bay. Seu maior mérito é ter realizado, nos últimos anos, bons remakes e dar um sopro de vida aos bons filmes de terror. Os bons Horror em Amityville, O Massacre da Serra Elétrica e A Morte Pede Carona estão aí para provar que bons remakes existem sim, mesmo com a nossa incredulidade em relação a isto. Eu sou um grande fã da série Sexta Feira 13 e com o anúncio do remake deste pela Platinum, me entusiasmei muito. Ok, você pode falar que eu critico filmes com falta de qualidade e me contradigo ao gostar de uma das cinesséries mais toscas do cinema. Mas o slasher é um gênero descompromissado, com roteiros ruins, atores que quase nunca conseguem outros papéis e etc, mas é um gênero com o simples intuito de divertir! Agora a hipocrisia de produções ruins com bom orçamento (ou até mesmo mau) que “se levam a sério”, no qual um diretor ruim e produção medíocre acham realmente que estão fazendo algo importante, isso sim merece crítica. Poderia citar muitas produções deste tipo, mas deixarei isso para outro artigo. Vamos voltar ao foco deste post.

Com a versão de 2009 para a série Sexta-Feira 13,a Platinum Dunes deu seu primeiro pisão na bola. O filme estreou no dia 13/02/2009 e na primeira semana de exibição arrebatou o primeiro lugar de bilheteria nos cinemas americanos. Bom, isso não que dizer absolutamente nada, pois filmes como Crepúsculo, 2012 e principalmente Avatar encheram os cofres dos estúdios e são ambos umas grandes m… Mas estou me desviando de novo, né? A verdade é que eu fui ao cinema na estréia, na segunda sessão, com grandes expectativas e sai extremamente decepcionado. Por que?

O roteiro do filme é de fato a mesma coisa que perseguiu a série: um grupo de jovens vai passar um fim de semana em uma casa no lago Crystal Lake e rola um sexo e uma maconha e o escambau e blá,blá,bla…. Porém antes desta trama principal rolam 2 eventos: o primeiro é uma breve cena misturada aos créditos iniciais em que vemos o trágico destino de Pamela Vorheess. E aí está o primeiro absurdo: durante a produção, os produtores insistiram que a história de Jason seria contada e explicada, mas este flashback não explica absolutamente porra nenhuma, e quem fosse no cinema sem conhecer a história da série provavelmente ficaria boiando. Após isso somos apresentados a cinco jovens que estão vasculhando a floresta de Crystal Lake em busca de uma plantação de maconha. Bom, a única personagem deste grupo que merece ser mencionada é Whitney (Amanda Righetti) que tem um papel fundamental na trama.Os outros são uns descartáveis que fazem besteiras que não tem graça como os jovens bobos dos filmes dos anos 80…. Porém uma coisa deve ser dita: como Jason está filho da puta (no bom sentido, hehe) neste filme!!!! Além das armadilhas na floresta, Jason agora ataca como um monstro voraz, com grande fúria. Isso sim é um bom ponto no remake. É satisfatório ver Jason acabar com os imbecis na floresta, e então quando ele vai atacar Whitney aparece o título do filme.

Então, somos apresentados à trama principal. Cinco jovens vão à casa do pai do imbecil Trent (Travis Van Winkle, que aqui caracteriza perfeitamente a juventude americana: arrogante e burra) passar um fim de semana. Quando param numa loja pé-de-estrada, esbarram com Clay (Jared Padalecki, ator que sinceramente acho meio canastrão) que está em busca de sua irmã Whitney. Após uma breve discussão entre Clay e Trent, percebemos que a namorada de Trent, Jenna (Danielle Panabaker) se interessa pelo drama de Clay. Então com o desenrolar do filme Clay esbarra novamente com eles, Jenna o acompanha em busca de Whitney, Trent à traí com sua amiga Amanda (America Olivo), e os outros dois Chewie (Aaron Yoo) e Richie (Bem Feldman) fazem burradas sem graça até o cu fazer bico… Neste meio vemos que Jason na verdade raptou Whitney por achar-la semelhante à sua mãe e a trama se desenrola de forma previsível.


Bom, aí você me pergunta: estamos tratando de um mau filme? Quase. A caracterização do Jason está excelente, como um vingador voraz e versátil. A fotografia também é boa, assim como a trilha sonora, apesar de não ser muito evidente. Porém, o que peca no filme é o ponto principal de minha crítica: Damian Shannon e Mark Swift, os dois indivíduos responsáveis pelo roteiro. Estes dois já haviam escrito Freddy vs Jason, e com aquele resultado eu achava que a carreira deles estava acabada… ledo engano. FxJ agradou a juventude americana (e americanizada ao redor do mundo) em cheio e estes dois “roteiristas” foram chamados para escrever o novo Sexta-Feira 13. Eu às vezes ainda fico pensando de quem teria sido a idéia (provavelmente deve ter sido de Michael Bay) de chamar estes dois incompetentes para escrever a releitura de um clássico… Se nos anos 80 a juventude era boba, descompromissada e fazia bobagens por serem bobocas, aqui nós temos “zumbis” que só pensam em sexo, maconha, sexo, putaria, sexo, sexo, sexo…. Óbvio que o sexo sempre esteve muito presente na série, mas aqui está absurdamente exagerado. Sinceramente, em duas cenas se você estiver distraído pode pensar que está realmente assistindo um filme pornô. Além disso, aqueles dois babacas acharam legal colocar piadinhas à lá Todo Mundo em Pânico no filme (assim como fizeram em FxJ) e o que temos durante 60 minutos no filme é um festival de retardadices, com besteiras que não são a mesma coisa de antigamente…. Poderia dar o seguinte exemplo, comparando dois besteirois: A Última Festa de Solteiro,com Tom Hanks e qualquem bobagem atual, como American Pie. São duas coisas muito diferentes. E aqui é o que rola: se as antigas bobagens eram engraçadas, aqui são incrivelmente estúpidas, com um humor de incrível mal gosto e sem criatividade alguma. Imagine o impacto de quem assistia a série Brinquedo Assassino e foi ver A Noiva de Chucky ou O Filho de Chucky… o impacto aqui é quase a mesma coisa. E isto põe pra baixo um filme que poderia ser muito bom. Devemos também acrescentar os furos que o filme tem, mas prefiro não mencionar-los, pois o artigo já está muito grande.

Enfim, Sexta-Feira 13 2009 não é um filme de todo ruim, mas está muito longe do patamar das produções da Platinum Dunes e serve para os “anti-Jason” criticarem ainda mais o personagem. Fico pensando como Marcus Nispel (diretor do ótimo remake de O Massacre da Serra Elétrica) deve ter reagido a algumas idéias deste roteiro (pois prefiro pensar que muitas das coisas que ele fez aqui foram contra sua vontade, pois é inconcebível ele ter dirigido filmes tão díspares).

Nota: 5,0

————————

Elenco:

Derek Mears – (Jason Voorhees)

Jared Padalecki – (Clay)

Amanda Righetti – (Whitney)

Danielle Panabaker – (Jenna)

Aaron Yoo – (Chewie)

America Olivo – (Amanda)

Travis Van Winkle – (Trent)

Ben Feldman – (Richie)

Jonathan Sadowski – (Wade)

Willa Ford – (Chelsea)

Ryan Hansen – (Nolan)

Richard Burgi – (Xerife Bracke)

Produção: Andrew Form, Brad Fuller, Sean Cunningham e Michael Bay

Música: Steve Jablonsky

Roteiro: Damien Shannon e Mark Swift

Direção: Marcus Nispel

——————–

Trailer

Anúncios