Arquivo para abril 15, 2010

Ressurreição – Retalhos de um Crime : Boa opção para fãs de thrillers.

Não sei se é grande a quantidade de pessoas que tem esse costume, mas eu muitas vezes compro filmes que nunca vi, quando estão baratos. Acho mais vantajoso do que alugar por 3 ou 4 reais comprar um filme por 7 ou até 10, pois se você gosta de um filme alugado  depois irá gastar um dinheiro para comprar a obra. Neste blog vocês verão muitos posts sobre filmes que para mim foram desta forma, “um tiro no escuro”, e muitas vezes revelarei verdadeiras bombas cinematográficas, mas ocorrem também as surpresas, como este Ressurreição, filme feito para a TV americana no ano de 1999.

Este filme tem como protagonista Christopher Lambert,que é um ator meio canastrão pro meu gosto, mas tem filmes no qual ele consegue uma boa atuação. Dirigido por Russell Mulcahy (mesmo diretor de Highlander, maior êxito de Lambert), numa época em que thrillers estavam rareando os cinemas, fez os críticos relembrarem de Seven (Se7en, de 1995), mega sucesso do gênero. E, como a história é parecida, foi comparado a este, o que na verdade prejudicou bastante o filme, já que tinha um menor orçamento, sem astros de peso e obviamente sem propaganda massiva. Infelizmente, como conseqüência disto, foi tratado como “cópia de Seven”. Afirmar isso é uma daquelas ingenuidades que de tão extremas chegam a dar raiva, como se Seven tivesse inaugurado um estilo de fato. Seven é excelente, mas bebeu das fontes de filmes antigos, como, por exemplo, Jennifer 8 – A Próxima Vítima (com o bom Andy Garcia) e até mesmo de séries de suspense dos anos 60. Bem, estou me desviando de novo do post, hehe. Voltemos ao filme.

[ATENÇÃO: Spoilers neste parágrafo] A história é a seguinte: o detetive John Prudhomme (Lambert) e seu parceiro Andrew Hollinsworth (Leland Orser, que vejam só, também esteve presente em Seven) passam a investigar assassinatos no qual partes dos corpos das vítimas são levados. O amargurado Prudhomme então chega a conclusão de que o assassino é motivado por razões religiosas, e escolhe suas vítimas de acordo com a Bíblia. Ao concluir o intervalo de tempo no qual o assassino age, os dois policiais saem em busca do asssassino, e no momento em que conseguem confronta-lo, o assassino torna o detetive Hollinsworth em sua próxima vítima. Com o desenrolar da trama, Prudhomme conclui que …. Bem, mesmo que eu tenha colocado o aviso de spoiler no começo do parágrafo, sei que muita gente que não viu o filme mesmo assim vai ler isto, e os pontos altos da obra são as reviravoltas do roteiro, então prefiro não revelar maiores detalhes da trama.

Co-escrito pelo próprio Lambert,  o roteiro é bem trabalhado e mantém o suspense da história em medidas certeiras. Seu ponto fraco é sofrer do mal de “personagem vidente”: em determinados momentos, Prudhomme parece tirar as conclusões “do ar”, e isso fere demais a obra. Com isso posto de lado, temos um roteiro bom, que não tem uma surpresa em seu final, mas muitas durante seu decorrer. A fotografia tem a intenção de tornar o filme ora nítido, ora sombrio. Isso funciona bem na maioria das vezes. O som é bem trabalhado e traz todo um clima de suspense para a obra.

Mesmo com algumas limitações, o filme nos traz para um clima nervoso, onde os personagens interagem com o caos de um assassino que eles sabem quando vai agir de novo, mas não conseguem capturar. Mulcahy tentou também mexer um pouco com o psicológico do espectador, com ângulos não convencionais mostrando cenas de ação e cenas no qual os personagens estão em conflito psicológico intenso. E claro, não posso deixar de mencionar as cenas violentas, que, mesmo não desbancando para uma linha tão explícita, expressam bem o horror e a insanidade do assassino.

Este é mais um daqueles filmes injustiçados por uma crítica formada na maior parte das vezes por “burocratas” vestidos de cineastas e que estão a serviço de grandes estúdios que lançam porcarias sem limites. Ressurreição não é aquele filme que irá se tornar um clássico para você, até mesmo porque está claramente não é a intenção da produção. Mas, caso você encontre este filme (pelo menos no Rio de Janeiro facilmente é possível encontrar-lo por menos de 10 reais) e esteja com uma graninha sobrando, aproveite a oportunidade de prestigiar um bom trabalho que não precisou de orçamento gigantesco e um cast formidável para transpor ao espectador um bom clima de suspense e inquietação na medida certa. Obviamente pode surgir na sua memória Seven, ou até mesmo Jogos Mortais, mas o filme tem a sua identidade. Indicado!

Nota: 7,5

——————–

Ano de Produção: 1999

País: Estados Unidos

Estúdio: Interlight

—————————-

Elenco:

Christopher Lambert (John Prudhomme)

Leland Orser (Andrew Hollinsworth)

Robert Joy (Gerald Demus)

Barbara Tyson (Sara Prudhomme)

Rick Fox (Scholfield)

David Cronnenberg (Father Rousell)

Roteiro: Brad Mirmam, co-escrito por Christopher Lambert

Musica: Jim McGrath

Edição: Gordon McClellan

Casting: Carmen Tetzlaff

Produção: Howard Baldwin, Pratick D. Choi e Christopher Lambert

Direção: Russell Mulcahy

——————–

Trailer Original:

Anúncios