Posts com tag “3D

Jogos Mortais 7 – O Final (Saw 3D – 2010) – Após as preliminares, um coito interrompido…

ATENÇÃO:  Nesta crítica, farei referências a acontecimentos de filmes anteriores da franquia.  Não será nada tão revelador, mas não me xingue depois, já estou deixando avisado.

ATENÇÃO 2: Não irei revelar pontos muito importantes deste filme nessa crítica, para preservar as surpresas do filme. O único parágrafo que poderá sinalizar algum ponto importante estará destacado, ok?

Parece que foi ontem quando um filme de baixo orçamento se destacou nos cinemas de todo o mundo, devido à sua tensão e incrivelmente surpreendente final. Este filme em questão, Jogos Mortais, gerou uma franquia que seguiu religiosamente a tradição de um novo capítulo em curto espaço de tempo, e por isso não é surpreendente que a fórmula tenha se desgastado tanto. Mesmo assim, tivemos no geral filmes acima da média, e sempre finais que tentavam manter a surpresa geral. O objeto desse artigo é supostamente um final para a série (duvido…), e sua produção foi carregada de especulações, promessas dos produtores, revelações surpreendentes, etc, etc, etc. Devo ser sincero em dizer que estava muito entusiasmado, porque Jogos Mortais 6 conseguiu resgatar a qualidade da série, numa trama rica e um final bastante surpreendente. E quando fui ver o “último” capítulo, caí de cara no asfalto…

Bobby Dagen (Sean Patrick Flanery) é um cara que supostamente escapou de um dos jogos de Jigsaw e agora fatura com entrevistas e seu recém-lançado livro. Mas tudo não passa de uma farsa, e ele será o jogador principal deste filme, onde terá de salvar os membros de sua equipe e sua esposa Joyce (Gina Holden). Enquanto isso, acompanhamos Hoffman (Costas Mandylor) planejando se vingar de Jill (Betsy Russell), que tentou matá-lo no filme anterior. Esta então busca ajuda da polícia, denunciando Hoffman como o autor dos novos jogos e pedindo proteção, concedida pelo policial Gibson (Chad Donella). Mas como você já pode desconfiar, novos elementos aparecerão, enquanto rola o jogo de Bobby e blá, blá, blá. Além disso, Jisgsaw (Tobin Bell) ainda estará presente em alguns flashbacks (mesmo que numa menor quantidade, se comparado aos outros filmes), e personagens dos outros filmes aparecerão.

O que chama mais atenção no filme é o visível desgaste da fórmula. Se em outros filmes ainda tentava se camuflar isso, aqui parece que os produtores ficaram de saco cheio e resolveram chutar o balde. Eu diria que este filme sofre da “síndrome do Jogos Mortais 5”: o jogo se mostra praticamente desnecessário, pouco interfere na trama de Hoffman e é extremamente mal inspirado. De fato, a prioridade aqui parece ter sido apenas o uso do 3D: as armadilhas na maior parte das vezes parecem ter sido criadas apenas para aproveitar o efeito.  O choque provavelmente se tornou maior pelo fato de a 6ª parte da franquia ter sido um considerável acerto, quando tudo parecia estar perdido.  Mas, o resultado final ficou muito além do jogo bem elaborado, da trama rica e do final surpreendente do filme anterior. Sem contar que também tem os aleatórios “jogos paralelos” , cujo um deles (com a curiosa participação do vocalista do Linkin Park, Chester Bennington) tem, pasmem, uma maior relevância na trama do que o jogo principal.

ATENÇÃO: Este parágrafo não possui spoiler, mas pode entregar alguns pontos essenciais da trama. Selecione o texto se quiser ler. Mas a maior decepção do filme é o seu final. Quem acompanhou a produção do filme irá matar de cara o que acontece no final. Quer dizer, até mesmo quem jamais viu um filme da série pode decifrar isso. Por que? Porque os produtores parecem realmente ter chutado o balde e dão diversas evidências do que acontecerá no final durante o decorrer do filme.  Se não bastasse isso, os roteiristas resolveram complicar ainda mais a cronologia da série, e além de não remediarem alguns furos deixados nos filmes anteriores, ainda criam novos nesta sequência.

Enfim, eu acho que o título do artigo não poderia ser mais apropriado. O motivo? Os filmes, mesmo com a perda de qualidade a cada ano, nos presentearam com uma divertida franquia, numa época em que produções do gênero definham em filmes porcos e sem criatividade. E, quando revelam um “final” para a série, onde prometem várias surpresas e um filme com maior metragem da série, jogam essa bomba homérica, que transtorna qualquer fã de verdade da série. Bom, se você espera um filme que resgate a qualidade dos primeiros e a surpresa do 6º,  então lhe digo que você provavelmente se decepcionará. Agora, se você gostou de todos (até mesmo do 5º filme “caça níqueis”), talvez curta esse também. Mas em qualquer um dos casos, tenha certeza que não terá surpresas e que a série provavelmente não será sepultada ainda…

Nota: 5,0

—————————————————————

Trailer

Anúncios

Avatar (2009) – Maquiando um roteiro retalhado

Há mais de 10 anos, um certo filme causava um alvoroço absurdo no mundo. Como se ninguém tivesse jamais visto um filme de romance na vida, o filme em questão arrebentou na bilheteria de todos os países em que foi exibido. Este filme, tido como uma obra de arte para muitos, COPIOU vários elementos de uma mesma produção, realizada um ano antes. Pois bem, o filme em questão é Titanic, com Leonardo DiCaprio e Kate Winslet. Um ano antes foi lançado um filme também baseado na tragédia do navio da década de 10, desta vez com astros como Catherina Zeta Jones e George C. Scott. Mas o primeiro filme foi feito para a tv, e não causou muito alarde. Então, os executivos da Paramount viram aí um baú de ouro mal explorado, e então decidiram investir numa luxuosa produção sobre a mesma história, inclusive copiando cenas na cara de pau do filme do ano anterior. O resultado: um filme chato, onde a produção impecável apenas se salva. Então em 2009, vimos algo do tipo acontecer novamente, com Avatar. A coincidência? As duas obras foram dirigidas pelo mesmo homem: James Cameron.

Tudo bem, Avatar não copiou descaradamente uma obra anterior. Desta vez a cópia foi de fragmentos de diversas obras anteriores. Mas, será que a história de Avatar é tão desprovida de originalidade? Sim e não. [ATENÇÃO: Spoiles no resto deste parágrafo e no seguinte] Os seres humanos, em toda sua arrogância, procuram minérios pelo Universo. Então numa lua (acho que é isso, se não um planeta mesmo) chamada Pandora, é encontrado um minério que pode dar uma ajuda na questão da crise energética do planeta Terra. Porém, existe um problema: o lugar é muito tóxico, e os seres humanos não resistiriam em sua atmosfera. Então, um grupo de cientistas cria um organismo que pode ser ligado mentalmente aos humanos: estes seres são os Avatares em questão. Sua aparência é semelhante a dos Na’vi, serem que habitam Pandora.

Então, somos apresentados ao ex-fuzileiro naval Jake Suly (Sam Worthington), que faz parte da operação junto com a doutora Grace (Sigourney Weaver) e Norm Spellman (Joel Moore), que também possuem seus avatares. Pois bem, eles se adentram em Pandora para uma missão de reconhecimento, porém em um acidente JAke cai do helicóptero em que estava e se vê perdido no local. Então, numa cena bastante previsível, ele conhece a Na’vi Neytiri (Zoe Saldana), que é filha do líder da tribo. A história se desenrola num ritmo lento, e como o espectador já desconfia, Jake entra numa crise de identidade, vendo que o que eles estavam fazendo é errado e então passa a lutar contra a ambição dos militares americanos. Só que isso não irá agradar o Coronel Miles (Stephen Lang), líder da operação. A luta então é travada e várias reviravoltas (que você já cansou de ver em outros filmes) acontecem: morre um dos amigos de Jake, ele é visto como traidor, ele é perdoado, ele do nada vira o fodão e destrói tudo, etc, etc, etc.

Este é o pior defeito do filme: sua previsibilidade. Sinceramente, eu matei o resto do filme todo no cinema ainda nos seus 30 minutos de projeção. Talvez por isso eu tenha achado o filme tão “bobo”. Meu caro leitor, deixo claro que é minha opinião pessoal sobre a obra e não estou aqui querendo ser dono da verdade, mas na minha opinião Avatar foi o maior desperdício de dinheiro da história de Hollywood. O assombroso investimento do filme não justifica isso. Convenhamos: o filme é muito bonito. A produção gráfica é super caprichada, assim como os efeitos e a parte sonora. Mas mesmo assim não dá para engolir. Toy Story foi uma formidável inovação, numa história curiosa, tornando o conjunto um tant divertido. Assim tudo bem. Mas Avatar “inova” formulas tão batidas que hoje em dia se tornam chatas. O pior é ver uma porrada de gente (mesmo da “crítica especializada”) falando que o roteiro é uma maravilha. Então porque essa mesma crítica especializada escurraçou O Ultimo Samurai (com Tom Cruise) cujo personagem de Jake Sully se mostra completamente baseado?? Porque então essa mesma crítica chamou Uma Verdade Inconveniente de “raciocínio alarmista e infundado sobre o meio ambiente”, se Avatar põe em prática até mesmo um elemento teorizado por Al Gore??? E quantas vezes nós já vimos o desenrolar do roteiro de Avatar em filmes “satanizados” pelos “críticos” do New York Times e afins?

E deixe-me falar de James Cameron, que mencionei e até havia esquecido aí em cima. Ele é até um bom diretor. As cenas são bem dirigidas, inclusive algumas partes com maior dose de ação. Mas isso não evita o diretor de insistir em alguns momentos monótonos e outros cujo o heroísmo do personagem principal é focado de tal forma que parece que o filme virou um remake de Ben-Hur. Além de muitas piadinhas em momentos críticos serem proferidas (o maniazinha maldita essa dos cineastas americanos). Mas minha maior crítica a esse cidadão nem se dá no quesito técnico, mas sim por sua postura em relação à obra. O diretor enfatizou na mensagem sobre o meio ambiente. Tudo bem, ela está presente, mas o diretor não deve ter se lembrado que muitas das empresas que deram suporte ao filme no exterior são algumas das maiores agressoras do ambiente (como a Nestlé). Ele mencionou que a história é muito boa e bem trabalhada. Mas ele deve ter se esquecido que 99,9% dos espectadores já tinha visto algum romance ou aventura americanos. E pensar que ele demorou tanto tento para recortar partes de outros roteiros e encaixar aqui…. Por fim, ele enfatizou a inovação tecnológica do filme. Aí sim, concordo com ele em gênero, número e grau. Mas, do que adianta essa maquiagem num filme tão vazio? Afinal, se ele se esqueceu, estamos tratando de CINEMA, e não de um espetáculo tecnológico. E infelizmente este é o caminho que o cinema americano tem trilhado durante estes últimos anos.

Nota: 4,5

— – – –

País: Estados Unidos

Ano de Produção: 2009

Estúdio: Fox

– — – – — – – –

Elenco:

Sam Worthington (Jake Sully)

Zoe Saldana (Neyriti)

Sigourney Weaver (Dra. Grace Augustine)

Stephen Lang (Coronel Miles Quaritch)

Joel Moore (Norm Spellman)

Michelle Rodriguez (Trudy Chalcon)

Música: James Horner

Produtores: James Cameron e Jon Landau

Roteiro e Direção: James Cameron

— – – – – – – — – ——-

Trailer Original


Alice no País das Maravilhas (2010) – Um tropeço no meio do caminho

Um dos filmes mais esperados desse ano, Alice arrebentou nas bilheterias de todo o mundo. O diretor desta obra foi o conhecido e experimental Tim Burton, realizador de clássicos como Edward Mãos de Tesoura. Sua maior característica é sua excentricidade com os filmes, sempre enchendo as obras de temas e referências um tanto curiosas. Em Alice, uma história um tanto imaginativa e repleta de personagens únicos, isso seria um balde cheio para um cara como Burton. Daí eu pergunto por que o resultado final foi de certa forma “abaixo do esperado”.

Alerto que Alice é um filme com alguns bons momentos. Tem momentos bastante divertidos e é uma interessante experiência assisti-lo em 3D. O problema é que a sensação que temos é de que Burton juntou 2 média metragens: o filme se perde demais após sua metade. Bom, vamos por partes: em primeiro lugar, a Disney entregou o projeto para Burton com alguma coisa já realizada. Este então finalizou o que a Disney já havia esboçado. Talvez o motivo para uma obra de certa forma inconstante.

O roteiro conta a história de Alice (Mia Wasikowska) já adolescente, com 17 anos. Pois bem, ela está prestes a ter sua mão pedida em casamento por um burguesinho chato, em uma festa em que seus familiares estão presentes. Ela está confusa por isso, além de ter sonhos com o “país das maravilhas” todos os dias, desde a infância. Confusa, ela sai da festa e segue o Coelho Branco até uma arvóre, onde ela cai em um buraco e vai parar no mundo fantasioso. Lá, ela encontra com as criaturas do mundo de fantasia e descobre que o coelho a atraiu para salva-los da Rainha Vermelha (Helena Bonham Carter).  Ela é apresentada ao Chapeleiro Maluco (Johnny Depp), Chesire (dublado por Stephen Fry) e outros personagens e então sabendo por que está ali começa a fugir dos soldados da Rainha Vermelha que a perseguem. O que acontece de fato é que ela já esteve lá com 7 anos, porém não se lembrava.

Pois bem, apesar do belo visual e um bom cast, o que temos aqui é incrivelmente inconstante. Burton seguiu bem a idéia da história de Alice nos primeiros 30 minutos, mostrando sua interação com as criaturas que vivem em Wonderland, sua ousadia, sua desconfiança e alguns diálogos engraçados. Porém, após isso o que temos é uma série de perseguições, personagens que deveriam ser engraçados não sendo, mais perseguições, efeitos esplendorosos, perseguições, etc. Além disso, agora Alice está lá para vestir uma armadura (!), empunhar uma espada sagrada (!!!!!!) e matar um dragão gigante (!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!), para salvar seus amigos e acabar com o reinado da Rainha Vermelha.

Sinceramente foi um susto ver o Chapeleiro Maluco não maluco, e sim quase “romântico” neste filme. Também não entendi absolutamente como Anne Hathaway deixou a Rainha Branca um verdadeiro saco. Deu vontade de ver a Rainha Vermelha dando “um sacode” nela, heheheh. Além de os outros personagens clássicos (com exceção de Chesire) terem tido pouco espaço e Tim Burton ter deixado de lado suas clássicas características. Sinceramente nunca fui fã de Alice, mas consegui identificar tais diferenças berrantes mesmo assim. Então gostaria que você, se for fã, deixasse aqui também coisas inevitáveis que foram deixadas de lado. Sobre a produção, deixo registrado que é impecável, com belos efeitos e um som de primeira.

Mesmo não sendo um filme ruim, é meio assombroso ver que Tim Burton, pegando uma história que originalmente já era bizarra e cheia de simbolismos, tenha tomado um direcionamento tão estranho. Pois, quem assumiu a cadeira foi o mesmo que criou o estranho e agradável A Noiva Cadáver e o cult Edward Mãos de Tesoura. E aqui desperdiçou uma grande chance de retratar como só ele sabe um dos mais clássicos e curiosos contos infantis.

Nota: 6,0

– — — — — – –

País de Produção: Estado Unidos

Ano de Lançamento: 2010

Estúdio: Disney

— – – —  – – — –

Elenco:

Mia Wasikowska (Alice)

Johnny Depp (Chapeleiro Maluco)

Helena Bonham Carter (Rainha Vermelha)

Anne Hathaway (Rainha Branca)

Crispin Glover (Stayne)

Michael Sheen (Coelho Branco)

Alan Rickman (Lagarta Azul)

Edição: Chris Lebenzon

Música: Danny Elfman

Cinematografia: Darius Wolski

Direção de Arte: Tim Browning

Produção: Joe Roth, Suzanne Todd e Richard D. Zanuck

Roteiro: Linda Woolverton, baseado na história de Lewis Carroll

Direção: Tim Burton

——– – – –

Trailer Original